“Não posso fechar os olhos quando a luz é intensa demais e queima as letras que pensava eram meu nome.
Não posso fechar os olhos a mim própria quando começo a verificar que sou muito diferente daquilo que deveria ser, ou que era suposto ser,daquilo para que fui criada e daquilo que a sociedade a que pertenço espera de mim.
Procuro ser fiel a determinada imagem que de mim criei – ou que me foi entregue já criada – e pode acontecer que deixe de ser fiel àquilo que é o meu nome original.”
Artigo anterior
Artigo seguinte
Deixe um comentário

3 comentários

  1. Mas os golfinhos continuam felizesA cavalgar ondas de madrepérolaA Lua sorri tristemente e pensaHaverá alguém mais perverso do que ela?Haverá?! Há sempre uma deusa perdidaNos labirintos da contradiçãoHá sempre alguém que usa a palavra amorSoprando doce veneno ao coraçãoBoa semanaDoce beijo

    Responder
  2. Não, amiga nunca deixes de ser fiel a ti própria.Um beijo enorme para si, outro para sua mãe com melhoras

    Responder
  3. SaloméMais uma vez não sei como agradecer, percebi que dei tal sentido figurado ao que pensava, que quase se tornou imperceptível, mas se ler o comentário anterior, entenderá melhor que eu sou mesmo eu,sem subterfugios.Um beijo

    Responder

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: