Tempo de renovação

SANTA PÁSCOA

GOSTO DE FADO III

Raquel Tavares

“Fala da mulher sózinha”

Já estou farta de estar só
Acompanhada de nada
Já estou louca de ser rua
Tão corrida tão pisada
Já estou prenhe de amizade
Tão barriga de saudade

Ai eu ainda um dia irei rasgar a solidão
E nela entrelaçar
O olhar de uma canção
Chegar ao cume, ao cimo, ao alto
Mais longe e mais além
Mas a saber que sou alguém

Na cidade sou loucura
Sou begónia sou ciúme
E eu que sonhava ser rua
Caminho atalho lonjura
Não tenho assento na festa
Sou a migalha que resta.

Ai eu ainda um dia irei rasgar a solidão
E nela entrelaçar
O olhar de uma canção
Chegar ao cume, ao cimo, ao alto
Mais longe e mais além
Mas a saber que sou alguém

Autores:Eduardo Olímpio / Paco Bandeira

Foi mais um dia. Olhei para ti, falei contigo, e nada me mostrou que a vida te sorri.

O olhar vago, para aquele jardim, cheio de flores,de que tanto gostas, entristece-me.

A mão, que já não aperta a minha, como que a dizer-me que estás feliz por me ver, está inerte.

Volto-me de costas, choro, e penso:

“Por algum motivo, Deus te estará a dizer, que apesar de tudo, vale a pena estares aqui ao pé de nós.”

Não quero que me vejas chorar, quero rir, e mostrar-te a esperança, mesmo que desconheça, se ainda sabes o que é.

Ei-la que chega; A PRIMAVERA

Tres mulheres na Primavera
Pablo Picasso

“A primavera chegará, mesmo que ninguém mais saiba seu nome, nem acredite no calendário, nem possua jardim para recebê-la. A inclinação do sol vai marcando outras sombras; e os habitantes da mata, essas criaturas naturais que ainda circulam pelo ar e pelo chão, começam a preparar sua vida para a primavera que chega.

Mas é certo que a primavera chega. É certo que a vida não se esquece, e a terra maternalmente se enfeita para as festas da sua perpetuação.Algum dia, talvez, nada mais vai ser assim. Algum dia, talvez, os homens terão a primavera que desejarem, no momento que quiserem, independentes deste ritmo, desta ordem, deste movimento do céu. E os pássaros serão outros, com outros cantos e outros hábitos, — e os ouvidos que por acaso os ouvirem não terão nada mais com tudo aquilo que, outrora se entendeu e amou.Enquanto há primavera, esta primavera natural, prestemos atenção ao sussurro dos passarinhos novos, que dão beijinhos para o ar azul. Escutemos estas vozes que andam nas árvores, caminhemos por estas estradas que ainda conservam seus sentimentos antigos… . Os casulos brancos das gardénias ainda estão sendo enrolados em redor do perfume. E flores agrestes acordam com suas roupas de chita multicor.Tudo isto para brilhar um instante, apenas, para ser lançado ao vento, — por fidelidade à obscura semente, ao que vem, na rotação da eternidade. Saudemos a primavera, dona da vida — e efémera.”
(Cecília Meireles)

"Os músicos não se aposentam, … " Louis Armstrong

http://www.youtube-nocookie.com/v/9ckv6-yhnIY&hl=pt_BR&fs=1&rel=0&color1=0x5d1719&color2=0xcd311b&border=1

Pudesse eu


Sophia de Mello Breyner

E um olhar perdido é tão difícil de encontrar

Ruy Belo

GOSTO DE:

Música de Rodrigo Leão

“queria de ti um país de bondade e de bruma
queria de ti o mar de uma rosa de espuma”

Mário Cesariny

UM AMOR

Aproximei-me de ti; e tu, pegando-me na mão,
puxaste-me para os teus olhos
transparentes como o fundo do mar para os afogados. Depois, na rua,
ainda apanhámos o crepúsculo.
As luzes acendiam-se nos autocarros; um ar
diferente inundava a cidade.
Sentei-me nos degraus do cais, em silêncio.
Lembro-me do som dos teus passos,
uma respiração apressada, ou um princípio de lágrimas,
e a tua figura luminosa atravessando a praça
até desaparecer. Ainda ali fiquei algum tempo, isto é,
o tempo suficiente para me aperceber de que, sem estares ali,
continuavas ao meu lado. E ainda hoje me acompanha
essa doente sensação que
me deixaste como amada
recordação.

Poema de Nuno Júdice

Mãos

“Temos duas mãos e ultimamente olho-as muito,tomo-lhes o peso.São rijas e fortes as nossas mãos,habituadas à geada,ao joio,ao frio das manhãs. Tomam a forma das coisas para as agarrar,as nossas mãos levantam pedras ainda que mais pesadas que elas. Não são transparentes mas sabem muito, têm a sabedoria dos gestos dos nossos avós, dos nossos pais e ainda os nossos. Conhecem a terra as nossas mãos,os dedos têm sabor, as unhas a presença. As mãos conhecem as coisas mesmo quando os olhos já não vêem. As mãos vão até aos outros, mesmo quando a voz se não solta. As nossas mãos semeiam, colhem o trigo, amassam a farinha, partem o pão, levam-no à boca. Não há nada no nosso corpo que saiba tantas coisas, que conheça tanto, como as nossas mãos. Por isso tenho a certeza, de que elas sabem também como se há-de mudar a nossa terra. …. E todo o povo há-de descobrir,todo inteiro, o povo, o peso das mãos, a sabedoria das mãos para fabricar a abundância e a igualdade.
E quem duvidar, há-de experimentar o peso das nossas mãos, mãos de trabalho que sabem de guerra e de foma e querem saber de paz e liberdade. “
Texto de Helena Neves (Junho de 1974)

Mãos, no Museu Rodin, foto de Howard Carson

Foto de Pão, de Maurizio Moro