Estratégia de distracção

“Estratégia de distracção”, diria que serve, para tentar mostrar aquilo, que se não é.
A principal frente de incêndio, não são as altas labaredas com que se debatem as “gentes”, mas sim o absurdo pacifismo com que enfiamos os barretes, que minuto a minuto nos oferecem!

Anúncios

Animação sobre Comportamentos Obcessivos/ Animation Obsessive Behaviors

Não tenho vocação para reeducar adultos impertinentes.
No meu mundo, entra quem eu deixo e permanece quem merece.
Aqui: o meu conselho para alguns, sem menosprezo por estes trabalhos.

Pragança

Regularmente os fim de semana são passados, nesta maravilha 
O pior são as ervas, sempre a crescer…

O que é estar só?

Estudos demonstram que a solidao é mais frequente nos individuos que têm um reportório de comportamento limitado.
Têm mais tendência à solidão aqueles que têm pouco com que se ocupar, fisíca e mentalmente.
Se quisermos não estamos sós.
Rodando no exiguo espaço do isolamento, a pergunta formulada é: – Porquê eu?
Nestas condições, se mergulharmos ao que chamam “solidão” , traremos  um enriquecimento precioso; conhecimento de Si, que até pode ser pescado no fundo, mais escuro e lodoso.
Se nunca descermos, mantendo à superfície uma vida mais fácil, seremos sugados pelo remoinho da solidão,e teremos menos posibilidade de um encontro maior.

Porque não desisto

Já quase tinha desistido, deste blog.
Não foi formatado para me dar a conhecer ao mundo. Até porque grãozinho que sou, despercebida gosto de circular por aí.
Raramente, mas muito por acaso, comento em blogs, até porque nada me reserva o direito ou obrigação de dizer se concordo ou não com o que escrevem. Todos somos livres! Daí que fomentar amizades ou o contrário na blogoesfera, não é nada que particularmente me alicie.
Gosto de amizade “olho no olho”, sentir o outro. E as palavras mentem, como todos sabemos.
Difícilmente invisto nestas experiências,até porque quase sempre que conheci alguém por aqui, tornou-se desilusão, porque as palavras são, um dos mais belos veículos da mentira, e nada, mas absolutamente nada me apela à agressão, aquela que explode por vezes à nossa revelia, deixando o outro magoado e nós mesmos perplexos.
Daí que a exigência de seguidores se torne nula.
Escrevo para mim. Vou rabiscando o que me apetece, e aquilo que outros escreveram e alguma coisa me diz.
Gosto do Sol e o seu calor, eu sinto na pele.
Esta coisa virtual, é fria e demasiado calculista,  apesar da elegância com que a maioria se delicia a deixar comentários por aqui e por ali e a contar seguidores.
Esse não é o fio condutor.
A linha, é ser verdade na mensagem.
Vou continuar, apesar das mágoas que este blog já me deu…

NOVOS SONS
NOVA FORMA DE ESCREVER SENTIDOS